11/12/2017

Natalina (1932-2017)

Maria Natalina Silva Costa, a Natalina (27/2/1932-9/12/2017), foi um dos maiores nomes do Marabaixo do Amapá, sendo uma das homenageadas do meu projeto As Tias do Marabaixo.




Conheci Natalina primeiramente através de duas que a homenageiam - "A Beleza da Arte que Emana", de Enrico Di Miceli e Joãozinho Gomes, e "Mão de Couro", de Val Milhomem e Joãozinho Gomes, que incluí em meu curta-metragem Natalina, de 2015, na interpretação do grupo formado por seus familiares, o Berço do Marabaixo. Na abertura do filme, a própria Natalina interpreta um ladrão de Marabaixo de autoria de sua mãe, dona Gertrudes Saturnino, pioneira do Marabaixo no bairro da Favela, em Macapá. O filme já foi exibido nos estados do Amapá, Bahia, Pará, Rondônia e Tocantins. 

Natalina foi uma guerreira em prol do Marabaixo e da defesa de suas tradições durante toda sua vida. Após o falecimento de sua mãe, em 1974, passou a realizar em sua casa no bairro da Favela os festejos anuais do Ciclo do Marabaixo. O local hoje é denominado oficialmente Barracão Gertrudes Saturnino e abriga ainda uma biblioteca de mesmo nome, especializada em livros com o Marabaixo como tema. 

O barracão está intimamente ligado ao projeto As Tias do Marabaixo. Foi na biblioteca que gravamos a entrevista com Natalina, e foi no barracão que foram expostas pela primeira vez as fotos da exposição itinerante do projeto, em agosto de 2014. Natalina visitou a exposição duas vezes - uma no Barracão Gertrudes Saturnino, outra no Amapá Garden Shopping, em setembro de 2014. 

A foto que ilustra o post é inédita, foi feita no Barracão Gerturdes Saturnino em maio de 2015 e faz parte do livro de fotos As Tias do Marabaixo, cuja edição está concluída e que aguarda patrocínio para ser impresso.


06/12/2017

Vídeo: Maracatu Raízes da Tradição (Mãe Vera)

Nos dias 18 e 19 de novembro, acompanhei aqui em Maceió parte da programação do 1º Encontro de Maracatus de Baque Virado, realizado na Praça Multieventos, junto à praia da Pajuçara. 

Este vídeo, inédito, traz o final da apresentação do primeiro grupo a tocar no evento, no dia 18: o Maracatu Raízes da Tradição, de Mãe Vera. 

Mãe Vera (Veronildes Rodrigues da Silva), 59 anos, é mãe de santo e mantém este grupo de Maracatu no Conjunto Eustáquio Gomes. Por seu trabalho de toda uma vida preservando as tradições culturais, recebeu em 28 de novembro o Prêmio  Culturas Populares - Edição Leandro Gomes de Barros, do Ministério da Cultura, na categoria Mestres e Mestras.





Para saber mais sobre Mãe Vera e seu trabalho, recomendo o Blog do Sávio de Almeida, publicou em maio de 2016 um depoimento dela sobre sua trajetória como Yalorixá, além de ter publicado em janeiro de 2012 fotos de seu terreiro Abaçá de Angola Oya Bale - que, segundo a própria Mãe Vera informou ao site Cada Minuto numa reportagem sobre intolerância religiosa, significa, em iorubá, "casa aberta para todos".




02/12/2017

Belezas Culturais: Samba


Hoje, 2 de dezembro, é o Dia Nacional do Samba. Escrevi muito sobre o samba em meu primeiro site, o Brasileirinho, ao longo de seis anos (2002-08), tendo participado na Bahia, em 2007, de dois debates a respeito de suas origens. 

O samba também está presente em meu trabalho como fotógrafo. Trago aqui estas duas fotos de um grupo de samba de raiz que registrei ao participar de uma Festa de Cosme e Damião no Terreiro da Casa Branca, como é conhecido o Ilê Axé Iyá Nassô Oká, localizado no bairro da Federação, em Salvador, em 26 de setembro de 2015.